domingo, 17 de julho de 2016

Prazer de viver

Imagens engraçadas - Bora lá aproveitar o Fim de semanaImagens engraçadas - Bora lá aproveitar o Fim de semana 
Vontade de apenas ir, sem destino, sem preocupações, sem tempo, sem direcção, apenas seguir em frente, sentir a brisa, sentir as águas refrescarem a cabeça, deixar a natureza desarmar essa bomba que esta vida rotineira arma na nossa mente, apenas viver, ser livre daquilo que por vezes oprime a nossa vontade de ser.
Perdemos muito tempo a não vivermos no mundo a que pertencemos. Perdemos muito tempo sem olhar para tudo o que existe à nossa volta. Para tal temos de ter o prazer de viver e não apenas o de só existir.

74 comentários:

37º a la sombra disse...



Road to Nowhere – Talking Heads

Well we know where we're going
But we don't know where we've been
And we know what we're knowing
But we can't say what we've seen
And we're not little children
And we know what we want
And the future is certain
Give us time to work it out

Yeah

We're on a road to nowhere
Come on inside
Taking that ride to nowhere
We'll take that ride
I'm feeling okay this morning
And you know
We're on the road to paradise
Here we go, here we go

We're on a ride to nowhere
Come on inside
Taking that ride to nowhere
We'll take that ride
Maybe you wonder where you are
I don't care
Here is where time is on our side
Take you there, take you there

We're on a road to nowhere
We're on a road to nowhere
We're on a road to nowhere

There's a city in my mind
Come along and take that ride
And it's alright, baby, it's all right
And it's very far away
But it's growing day by day and it's all right
Baby, it's all right
Would you like to come along
You can help me sing the song
And it's all right, baby, it's all right

They can tell you what to do
But they'll make a fool of you
And it's all right, baby, it's all right
There's a city in my mind
Come along and take that ride
And it's alright, baby, it's all right
And it's very far away
But it's growing day by day and it's all right
Baby, it's all right, yeah

Would you like to come along
You can help me sing the song
And it's all right, baby, it's all right
They can tell you what to do
But they'll make a fool of you and it's all right
Baby, it's all right

We're on a road to nowhere
We're on a road to nowhere
We're on a road to nowhere

Arturinho das moscas disse...

O lider dixo que estivo de vacacións mais que agora vai marcar unha cea cos confrades.

Faroleiro disse...

quais confrades???

Arturinho das moscas disse...

Non sei, imos esperar para ver.

Fiscal disse...

Não se fez o jantar antes da "época balnear" e agora com a maior parte dos confrades mais dispostos a irem para a praia é que se vai fazer?
Só se for a janta dos 3 ou 4!!!

Fiscal do Vinho Verde disse...

O confrade penetra Duro também manda perguntar pelo repasto.

Fiscal disse...

pois é, quando falei em 3 ou 4 esse home também fazia parte da contagem

Legionário disse...

O Viver não se sabe quando acaba, mas que se sabe, logo à partida, que vai acabar antes de nos apetecer. Todos os dias sinto que foi mais um dia que me foi dado e, ao mesmo tempo, mais um dia que me foi subtraído, que jamais hei-de recuperar.

Anónimo disse...

verdade verdadinha

zé da Arcada disse...

A vida é NINFOMANIACA fode-nos todos os dias!!!

Legionário disse...

Neste momento e com tanto trabalho, o que é preciso é cada um multiplicar-se por si próprio...mas a imagem do Post "dá" para relaxar...mentalmente;)

Faroleiro disse...

relaxamento virtuallllllllllllll

Tipo que trabalha disse...

Está bom para beber umas surbias na esplanada.

tipo + atento disse...

hoje está-se bem pois há uma certa brisa, a partir de amanhã o calor vai ser sempre upa upa...!

vizinha do 1º Dt disse...

Ontem foi o dia da amizade, e como não podia deixar de ser, achei por bem, referir este tipo de amizade que cada vez mais adeptos tem...a amizade colorida.
Quem de nós nunca teve um amigo ou amiga assim?
E se não teve, quem nunca o desejou ter?
Aquele amigo que surge muitas vezes do nada e sabe-se lá de onde, mas com quem damos as melhores quecas da nossa vida, aquele amigo com o qual não falamos de amor, mas sim, fodemos a torto e a direito num lugar imprevisível qualquer, aquele que dá o litro só para que fiquemos satisfeitas, mas também aquele que solta o nosso lado mais selvagem e coloca à mostra a gaja que existe em nós, aquele que fornica apenas por fornicar sem precisar de dar e receber explicações.
No final de contas, um amigo em quem confiamos, mas que nada mais dá e recebe além do sexo puro e duro, porque é assim que gostamos e queremos.
Um bem haja a todas as amizades, mas, que as coloridas se mantenham até que
percam a cor!

Legionário disse...

Esta vizinha do 1º Dt não tem papas na língua :)))

Robert de France disse...

o gaje Rebola voulait aussi une gaje assim

Jean-Marc da Michelin disse...

Esse gaje anda na caça às emigras.

Sakamoto disse...

e o moço Takanaca anda à caça das de fio dental

frei Vareta disse...

no estaminé do Takanaca não devem faltar moçoilas a experimentar a dita cuequinha hehehe

Labaredas disse...

E hoxe à noute moitas mozas van vestir esas cuequiñas.

Sakamoto disse...

A cueca, sabemo-lo todos, ocupa um lugar central na nossa vida. Quase todas as pessoas que conheço me manifestaram, num momento ou noutro da sua existência, a seguinte preocupação: «As cuecas que trago hoje estão em mau estado. Se tiver um acidente e for necessário despirem-me, será uma vergonha.» Este lamento é bem revelador da importância das cuecas. Aquilo que as pessoas mais temem, na eventualidade de um acidente, não é a dor física, é a dor moral de serem apanhadas com cuecas feias ou velhas - ou, Deus nos valha, feias e velhas. E o certo é que, quando penso na hipótese de ter, por exemplo, um desastre de automóvel, se há algo que me conforta é imaginar que um dos bombeiros, na altura de me colocar na maca, dirá, com admiração «Que excelentes cuecas enverga este estropiado!» ou «Onde terá aqui o perneta adquirido estas magníficas cuecas?»

Tipo atento disse...

Anda por aí muita gaja com cueca de gaveta.

neca picheleiro disse...

fosca-se ò migo com este calor estar a falar de cueca, já andam vapores mal cheirosos no ar!!!

vizinha do 1º Dt disse...

Pode ler-se em muitos sítios que o tamanho não interessa, desde que seja trabalhadora e haja muito amor está tudo bem. Não se enganem meus amigos. Isto é uma grande mentira! Claro que o tamanho conta, não sendo só por si importante. Deve ter um tamanho aceitável, deve ser trabalhadora e se houver amor e muito amor tanto melhor. Falo de pilas, pois claro.
Ainda bem que as há pequenas, grandes, murchas, rijas, tortas, direitas e por ai adiante. Ainda bem que há gosto para todas elas. Mas uma pila pequena é e sempre será uma pila pequena.
.
Há dias contava-me uma amiga que um certo rapaz, com o qual teve um "caso", um pequeno e muito pouco importante "caso", ficou sem interesse algum depois de uma noite de sexo. A primeira e única noite de sexo que tiveram. E porquê só uma noite? A minha amiga ficou tão desiludida com o sexo do rapaz (quantidade/qualidade) que não quis voltar a experimentar. Dizia ela que quase teve de ir buscar a lupa para ver a pila do dito rapaz. Foi este motivo mais que suficiente para arranjar desculpas e não se voltarem a encontrar. Já se passaram uns 2 anos desde tal acontecimento. Mas como o mundo é pequeno e toda a gente conhece toda a gente, um conhecido da minha amiga contou-lhe que o rapaz se casou e é pai de uma menina. Perante esta novidade a minha amiga não se conteve e mandou-me um sms a fazer referência à notícia e a exclamar de como é possível ter casado e ser pai.
.
"A filha deve ser doutro". Esta frase constava no sms.

Legionário disse...

Depois de poucas horas dormidas (devido a ter ido ao casamento da minha sobrinha) e com altas temperaturas lá fora, por aqui trabalha-se!!!

penetra da esplanada disse...

O Violas meteu wi-fi no bar da praia, está fixe estar aqui a caçar pokemons e a apreciar as gajas.

Legionário disse...

A coisa passa-se mais ou menos assim: a gente nasce, é criança, vive experiências de criança, depois cresce até à adolescência, e acontecem-nos coisas que acontecem a adolescentes, depois (de repente), já somos adultos e…Não preciso de continuar a explicar, espero.
Não só é assim, como (absorva bem o impacto da novidade) é assim desde o início dos tempos. Acho que a expressão “é a vida” foi inventada para isso. Explico melhor. Fico sempre (como dizer?) deslumbrado com certas frases que leio, certas expressões de sentimentos, certas (digamos) novidades. Há que lembrar que vivemos numa época de imprensa cor de rosa que atira a tudo o que mexe, a tudo que lhes parece ser uma estrelita de uma coisa qualquer, a que se juntam as redes sociais, onde as estrelitas nos relatam o seu dia e pensamentos ao minuto (não exagero, tirando idas à casa de banho, acho que está lá tudo).
Acresce a multiplicação dos pães: quando a imprensa cor-de-rosa também faz constantemente eco do que os famosos escrevem ou partilham nas redes sociais. Conclusão: é impossível não lermos e não sabermos, mesmo que não estejamos minimamente. Assim sendo, leia-se. E que se lê? Oh, espantosas descobertas! Temos um trintão que nos informa que sente, de alguma maneira, que a energia já não é a mesma dos vinte anos. Temos outro, que descobriu que ler alguns livros ou ver alguns filmes nos confronta, por vezes, com coisas que já tínhamos sentido. Temos (sim, ainda temos destes) outra que está maravilhada porque descobriu que por vezes a felicidade pode estar nas pequenas coisas, pequenos gestos, e que dai se pode tirar grande satisfação. Continuo? Há outra que tomou uma decisão, que anuncia, sem rodeios (são todos sempre corajosos e frontais, doa a quem doer), que anuncia, dizia eu, que vai deixar de se fixar no passado porque…já não há nada a fazer, e o melhor é desfrutar o presente.
E sem dúvida, as minhas favoritas e favoritos: os jovens papás. Os jovens papás, explicam-nos que as crianças por vezes choram de noite, e que há momentos em que quase perdemos a paciência. Dizem-nos também, que as crianças parecem ter personalidade. Que as crianças passam por fases. Mas não só: os jovens papás são muito dados à introspecção. Alguns descobrem que ter filhos pode transformar (sublinho: pode) a forma como vemos o mundo ou sentimos as coisas. Há um que está boquiaberto porque era um grande maluco, e agora, que tem um filho, está mais atinado, parece que lhe surgiram alguns receios que não tinha.
Traz isto algum mal ao mundo? Ia responder que não, mas sabem que mais? Talvez traga. Vivemos uma época de mediania, de mediocridade, é tudo muito pequenino, sem rasgo de salto de civilização. Nas conversas, nos interesses, na música que se ouve mais, nos livros que se vendem melhor.
E estarmos constantemente a relevar os pensamentos mais básicos do processo de amadurecimento há-de ter, um dia, consequências. Ficarmos parados no espanto permanente da vida básica. É pouco.

yodi disse...

alô palermas, aqui do bar aberto tudo à grande , noite Bush discute ��
�� gostas linda?
Martini
gin
�� ok

Eduardo Corrécio disse...

o yodi às 00:14 já estava borrachola!!!

Robert de France disse...

A propos de votre dernier texte à 14:44, Légionnaire tous pensent qu'ils sont des pionniers!

zézé surfista disse...

tá muito calori c*************

barandes disse...

Directeman du bar de la playa avec gajede brochetes e chupe la pisse que é bom, sylvie faz gud service����
vacances à la fenetre com sex nonstop tudo à grande ��
amigas como tu é uma na boca e outra no cu.

Anónimo disse...

o gaje vampirex não aparece

Labaredas disse...

O vampirex tem andado ocupadex, ao contrário de certos artistas que passam o tempo num tal bar wi-fi a botar o olho às moças.

Fiscal disse...

o barandes das 23:54 de ontem continua borrachola e não tem nada na cachola!!!

Bar da praia disse...

Aquilo deve ser um putedo do caneco...

Robert de France disse...

Barandes c'est l'homme de serviettes

Tipo atento disse...

A verdade é que nunca se viu tanto baquedo pelas ruas como actualmente.

Capitão Meireles disse...

amanhã das 15:30 às 18:30 o trânsito vai ficar todo f*** nesta cidade devido à Volta a Portugal!

Arturinho das moscas disse...

E non hai novas do bar do barandes?

Faroleiro disse...

o barandes está de caganeri!

vizinha do 1º Dt disse...

Teu corpo seja brasa, teu corpo seja brasa e o meu a casa que se consome no fogo, um incêndio basta para consumar esse jogo, uma fogueira chega para eu brincar de novo.

Legionário disse...

Hoje também está uma brasa, lá isso está:))

zézé surfista disse...

Elsa: Só vens para a praia comigo para me comeres.
Eu: Não... Mas comia-te...
Elsa: Já comeste. Não sou novidade.
Eu: Comia-te como se fosses novidade.
Elsa: Então come-me!

Legionário disse...

Aproxima-se o mês de Agosto, no qual muita gente vai passar férias para fora ou cá dentro, curiosamente não tenho visto muitos emigrantes, só se vierem "todos" nesse mês...

Capitão Meireles disse...



150 mil emigrantes regressam até domingo.
Entre esta sexta-feira e segunda-feira, a fronteira de Vilar Formoso será atravessada por 15 mil carros/dia. TAP também já reforçou ligações aéreas.


Tipo curioso disse...

Mr. Barandes tem viature nova?

Robert de France disse...

esse gaje Barandes não tem nouvelle voiture, mas tem tem uma nouvelle gaje, é insuflável!

Labaredas disse...

Agosto é o mês do parolo.

Fiscal disse...

e dos pseudo VIPS aparecerem nas praias, bares e afins...

Fiscal do azeite disse...

...e de muita cangalhada que anda por aí a meter nojo e a incomodar quem trabalha.

Legionário disse...

Agosto é o mês de eleição da maior parte dos portugueses para ir de férias, e é curioso verificar que é eleito tanto pelas classes “altas” como pelos parolos, foleiros, burgessos, morcões e outros.

Os parolos tendem a ser todos muito iguais. Em Portugal, é diferente. Em mais nenhum país a variedade é tão grande. Basta ficar parado durante meia hora em qualquer ponto do país e observar as pessoas que passam para conhecer a gama completa.

O labrego é o parolo dos primórdios. De todos os géneros de parolo, é o melhor. O labrego é o camponês que é mesmo do campo. É fácil gostar de labregos. São honestos. São despretensiosos. Respeitam as outras pessoas. Acima de tudo, são verdadeiros.

O parolo é o labrego que desceu à cidade. O parolo é o labrego urbano.

O parolo já usa expressões estrangeiras, como “Men” e “Naice”

A foleirice é mais do que uma condição – é uma maneira de ser, uma filosofia de vida. Está institucionalizada. É contagiosa. A foleirice, ao contrário da parolice, pode dar a toda a gente. Todos nós podemos ser um bocado foleiros, de vez em quando.

Ser foleiro é perguntar nos restaurantes se a mousse é caseira, é andar com o automóvel para trás e para a frente nos semáforos, é tratar os empregados por “chefe”…Enfim, ser foleiro está ao alcance de qualquer um.

O burgesso é o foleiro burguês. Os burgessos vêm de todas as classes sociais. A “alta burgessia” não tem um automóvel Porsche, mas tem uns óculos escuros. Não tem sapatos da Gucci, mas tem o after-shave com o mesmo nome.

Há uma espécie de burgesso que não maça tanto – é o burgesso envergonhado, que procura não incomodar, que não nos apresenta constantemente os seus sinais exteriores de riqueza. É o tonhão. É o burgesso que tem consciência das suas limitações.

Falta uma espécie, que se caracteriza por não ter características – é o morcão. O morcão é o cinzentão, molengão e mandrião. Quando se pisa um morcão, ele diz “desculpe”.

Existe só para preencher a população. Nas filas dos bancos, está eternamente à frente de nós a depositar 300 cheques e está à espera que alguém lhe empreste uma caneta.

Os morcões não sabem guiar, não ouvem buzinas, andam na estrada como se tivessem trilhos por baixo, como os carros eléctricos. O grande defeito dos morcões é empatar.

Depois destas considerações, julgo que é importante dizer que, apesar do “combíbioforçado” com toda esta variedade de cromos, não me sinto minimamente deslocado…

Luis Philippe disse...

Légionnaire, ce commentaire est qu'il était une bouffée d'air frais.

Arturinho das moscas disse...

A verdade é que o labrego é o parolo que menos chateia.
E falta aí o novo-rico, que é um parolo da pior espécie.

Luis Fourmi disse...

Ah oui c'est vrai!

vizinha do 1º Dt disse...

É uma sensação que me invade o corpo...

Apetece tocar-me e sentir a minha pele...
Tenho uma pele macia e suave... sensivel ao toque e que a faz reagir.
O meu corpo responde a cada passagem leve sobre ele: a minha respiração fica ofegante e acelarada, o meu corpo levanta e eleva-se...

Uma vontade doida de viajar deixa-me irracional e louca.... divago nos sonhos, deixo-me levar pelo desejo a começo a minha descoberta....

agarra-me e prende-me a ti, aperta-me com força, morde-me e beija-me
aiiiiiiiiiii, abraça-me esta noite, puxa-me para ti com desejo e fod..................-me

Tipo que sabe disse...

O facebroche está cheio de foleiradas.

Marquês de Pombal disse...

o Tipo que sabe, andou a cuscar o quê no facefútil?

Tipo que sabe disse...

Resposta:

Gajas que fazem uns gulosos num apartamento junto ao Braga Parque; também dão umas traulitadas, mas só com rapazes bonitos e endinheirados.

frei Vareta disse...

Isto anda tudo muito quente...então a vizinha do 1º Dt anda com o diabo no corpo!!!

Capitão Meireles disse...

Eles já começaram a chegar...os avecs!!!

Legionário disse...

Estamos quase em Agosto e a cidade começa a encher-se de emigrantes. Isto é bom, a restauração, a hotelaria e os serviços agradecem. Tenho de admitir que os avecs - os emigrantes em França - costumam ser para lá de divertidos. *

Aquela mania de fingirem que já não se lembram de como se fala português pode gerar situações bem engraçadas. Aquela ideia de usarem calças de fato-de-treino brancas, tshirts sem mangas e crucifixos ao pescoço desmascaram-nos por completo. Nos mais jovens, as pulseirinhas de ouro, os brincos de brilhantes e o cabelo cheio de gel. No trânsito, parece que o código da estrada muda de país para país, visto que eles desconhecem as regras que nós conhecemos. Nos restaurantes e nos cafés toda a gente dá pela presença deles, falam alto, riem, palitam os dentes descaradamente (bom, isto é mania portuga, seja aqui ou na Paris de France). Nos pés, a bela da sandaloca masculina. As camisolas da selecção, com o Cristiano Ronaldo como figura de destaque. Os carros todos enfeitados, com peluches e bandeirinhas...

Mas mesmo assim, meus caros avecs, sejam bem-vindos a casa. Sei bem que esperam o ano todo pelo regresso a casa. E isso é bonito.

Anonyma disse...

Praticamente todos os emigrantes têm um bom carro reconhecível em qualquer cidade! E o engraçado é que se falarmos com alguns "avecs", como queridamente os apelidamos, percebemos que o dito cujo não sai da garagem todo ano, porque a gasolina está cara em todo o lado, e assim, o símbolo da federação portuguesa de futebol, muitas vezes colado no vidro traseiro, só vê a luz do dia, no seu querido Portugal! :)

Arturinho das moscas disse...

Pois bem pior do que o avec é o zé tuga da capital e arredores, que tem a puta da mania que no Norte somos todos labregos.

tipo + atento disse...

Arturinho das moscas, gente arrogante há em todo o lado!

Legionário disse...

Aristóteles, interrogado sobre a diferença existente entre seres humanos cultos e os incultos, disse:
“A mesma diferença que existe entre os vivos e os mortos”

Lamentavelmente hoje em dia, a falta de cultura continua a ser gritante, em todas as classes sociais!!!

barandas disse...

Está fresco hoje mas no bar da praia é sempre a abrir.
gin e gajas boas �� ����
�� noite kodak
há palermasses q trabalham.
��✈

Esposende por 1 canudo disse...

o barandas como sempre, estava borracholas!

Labaredas disse...

Deve ser dos gins marados.

Fiscal disse...

Agora voltou a "moda dos gins"!

BORAT disse...

HÁ NOVO POST

Paloma Faith disse...

Nem imaginas as vezes que faço a vontade a essa mesma tua vontade!
Faz-nos bem...desrotinar. :)

Legionário disse...

Pois é Paloma, embora por vezes seja mais complicado sair da rotina;)